SMDC celebrou neste Domingo o seu 137.º Aniversário

Posted on Posted in Direcção

Passaram anteontem, Domingo, 19 de Março de 2017, 137 anos sobre a fundação da nossa colectividade e a data, como é hábito, mereceu atenção especial.

Foram agendadas algumas iniciativas para este Domingo e, naturalmente, o evento que mereceu maior destaque foi a tradicional Sessão Solene Comemorativa, que contou com a presença de inúmeras individualidades e representantes de órgãos autárquicos, para além de muitos dos sócios e amigos da SMDC, que lotaram por completo o auditório, na sede da colectividade, e seguiram de forma interessada todas as incidências da cerimónia.

Na Mesa de Honra, presidida pelo senhor Presidente da Câmara Municipal de Odivelas, Dr. Hugo Martins, ocuparam o seu lugar, para além de Rui Simões, Presidente da Direcção da SMDC, o senhor Armindo Fernandes, Substituto Legal do Presidente da UF Ramada e Caneças, o Dr. Augusto Flor, Presidente da Direcção da Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura Recreio e Desporto, (CPCCRD), o senhor Eng.º Carlos Teixeira, Presidente da Mesa da Assembleia da Associação de Futebol de Lisboa, (AFL), e o senhor Padre Fernando André, representando a Paróquia de S. Pedro de Caneças.

Iniciada a sessão, lugar par o período destinado aos discursos, em que todos os membros da Mesa de Honra manifestaram devido apreço e reconhecimento pelo trabalho em prol da comunidade, das tradições culturais e do desporto, realizado pela SMDC ao longo da sua existência, afirmando igualmente apoio incondicional a futuros projectos e à realização de eventos de carácter cultural, recreativo ou desportivo.

No seu discurso, que pode ser lido na integra aqui, o Presidente da Direcção da SMDC, Rui Simões, fez uma retrospectiva histórica das etapas que nos últimos 18 anos sob o seu comando, a SMDC teve de ultrapassar, se quis ver obra feita, expressando ao mesmo tempo o sentimento do colectivo e a determinação com que os variados elencos directivos têm afrontado as dificuldades, não apenas financeiras como de recursos humanos, bem como a forma como a organização sempre pugnou pela legalidade e transparência, conseguindo nesta altura encarar as diferentes  instituições com a consciência de que o seu estatuto de utilidade pública foi defendido e garantidos os compromissos assumidos; no seguimento desta ideia, aliás, Rui Simões não perdeu a oportunidade de colocar a questão da premente necessidade de substituir o desgastado, pelo tempo e pelo uso, relvado do Campo da Lapa, afirmando o propósito da actual direcção de fazer a urgente obra; terminou agradecendo aos diferentes órgãos oficiais ali representados pela colaboração e o apoio concedidos.

Seguiram-se o senhor Padre Fernando André, com palavras de simpatia e apreço pelo trabalho da SMDC junto da comunidade e o respeito e cooperação para com a obra da Igreja em Caneças.

Também o Engenheiro Carlos Teixeira não deixou de expressar o carinho pela forma como, perante dificuldades sem número, os clubes e as colectividade, a nossa em particular, teimam em fazer frente e manter vivos os ideais do desporto e da cultura popular.

Seguiu-se-lhe o Dr. Augusto Flor, grande conhecedor do edifício associativo, estudioso do movimento, que trouxe à plateia alguns factos desconhecidos por muitos, designadamente a referência à existência de um a viatura funerária, propriedade da colectividade, e da importância social desse facto.

Armindo Fernandes deixou, como sempre, o seu reconhecimento à SMDC, de quem é igualmente associado, e o apoio que a autarquia local sempre procurou fornecer a todos os pedidos de ali chegavam.

A finalizar este período, e respondendo a Rui Simões, depois de, durante a sua alocução, ter realçado o trabalho da SMDC nas diferentes vertentes,  o Dr. Hugo Martins afirmou perante a assembleia a vontade de o seu executivo avançar já durante este ano, no final da época desportiva, com o apoio à obra de substituição do tapete sintético e do reforço da iluminação artificial no Campo da Lapa, o que é obviamente excelente notícia para a colectividade e todos os nossos praticantes de futebol em particular.

Terminada esta etapa da cerimónia procedeu-se à entrega dos emblemas de prata aos associados que completaram desde o último aniversário 25 anos de filiação, (lista em anexo).

Momento que antecedeu as homenagens, (Caneças, 2017, Arq. CM Odivelas, Eduardo Sousa)

Como é também hábito nestas ocasiões, homenagearam-se aqueles que, pelo seu trabalho, dedicação, espírito associativo, e cooperação ao serviço da SMDC, se fizeram merecedores de devido reconhecimento, como foram os casos, este ano, de António Carlos Mendonça Dias, pela colaboração com o Departamento de Futebol, Bruno Ricardo de Sousa Melo, pelo seu desempenho enquanto docente da Escola de Música e pela promoção e divulgação do trabalho da SMDC, Sarah Eva Arrais Elias, enquanto elemento da Banda Filarmónica e membro de Comissões de Festas e o trabalho realizado ao garantir um conjunto de mobiliário que serve agora a Sala de ensaio da Banda e não apenas ali, e finalmente Luís Filipe Teixeira Pereira por todos os anos de ligação à SMDC, desde a sua actividade ao nível dos diferentes grupos de teatro, o “Tip Top”, e mais recentemente enquanto mentor do movimento “Geração 50/60”, e finalmente a criação do “Vocálise”.

Por último, numa homenagem diferente, pelas qualidades pessoais, a sua carreira profissional, e o êxito ao serviço da selecção nacional de futebol, sagrando-se em Julho de 2016 Campeão Europeu da modalidade, o nosso associado Jorge Manuel Caetano do Rosário recebeu, das mãos de Rui Simões, uma placa alusiva ao feito.

Actuação da Banda da SMDC, (Caneças, 2017, Arq. CM Odivelas, Eduardo Sousa)

Encerrado o período formal da cerimónia, lugar ao, igualmente tradicional, concerto oferecido pela Banda Filarmónica da SMDC, com a direcção do Sr. Maestro Carlos Alberto Teixeira Gomes. Durante a actuação da Banda, estava guardada uma surpresa, com a presença de dois pares de dançarinos que, a convite do Sr. Maestro, se disponibilizaram para se apresentar nesta ocasião, evoluindo em pista ao som da valsa e do bolero executados pela Banda, lembrando a boa parte da plateia as muitas “matinées” dançantes que tiveram lugar precisamente naquele espaço nas décadas de 40 a 70 do século passado.

A finalizar o solene evento, logo após a execução dos hinos da CPCCRD e da SMDC, cantaram-se os parabéns, desta vez ao som da Banda, sopraram-se as velas, abriu-se o champanhe e cortou-se o bolo de aniversário.

Dr. Hugo Martins e Rui Simões (Caneças, 2017, Arq. CM Odivelas, Eduardo Sousa)

No “Slideshow”, abaixo, passamos alguns dos momentos da cerimónia, utilizando parte da excelente reportagem fotográfica da Câmara Municipal de Odivelas, agradecendo a cedência de imagem. A restante colecção de fotos, está no álbum publicado no Facebook, no grupo público Sociedade Musical e Desportiva de Caneças.

Este slideshow necessita de JavaScript.


Lápide da SMDC no Cemitério de Caneças
Lápide da SMDC no Cemitério de Caneças (Caneças, 2017, R. Simões)

À margem da cerimónia realizada na sede, houve também, na manhã deste Domingo, 19 de Março, lugar à celebração de uma Eucaristia, na igreja de S. Pedro de Caneças, por alma dos sócios falecidos, a  que se seguiu uma romagem de elementos da Direcção actual até ao cemitério local, para deposição de uma coroa de flores, junto da lápide que justamente homenageia “aqueles que partiram”, e que foi ali instalada por ocasião do centenário da colectividade.

A este propósito, podemos avançar que, em estreita colaboração com a UF de Ramada e Caneças, está em curso o processo de trasladação daquela lápide para um outro local, mais condizente com o seu significado e com o destaque que merece.

A terminar, e em nome da Direcção da SMDC, fica aqui expresso o agradecimento a todos os que tornaram possível a realização deste evento, em especial o executivo da UF Ramada e Caneças, pelo apoio logístico no apetrechamento da sala, e ao nosso amigo Luís Correia, gerente da firma “Flor do Hugo”, que uma vez mais ofertou o bonito arranjo floral, para a Mesa de Honra.


RF